Verdades sobre o setembro amarelo

Não é setembro (amarelo), mas é preciso falar disso !!
 Eu sei, mais uma vez a noite caiu, mas você não pegou no sono, de novo. Tudo começou com pensamentos aleatórios, mas a vida insiste em judiar do nosso ser e ao passo que entardecer os pensamentos giram em torno de uma só ideia, não é preciso sequer menciona-la, pois poderia ser fatal.





Uma dor imensa aperta o coração, os olhos começam a se encher e mais uma vez, vem aquela pergunta: por que eu ainda insisto?
Seguido de vários motivos, o principal é: as forças esgotaram-se, a felicidade me odeia e a solidão é minha morada.
Eu realmente sei o que é isso, esse texto não está sendo digitado no claro do dia, mas na escuridão que permeia nossas vidas no anoitecer, que consigo trás o medo, a tristeza e a solidão.
Lembro-me de uma frase, que dizia: suicídio?  Não, eu já estava morta a muito tempo, mas ninguém percebeu.
Essa é uma verdade que uma grande parte de nós esconde, que ao anoitecer cai como uma bomba sobre nossos ombros, mas que assim como a noite, eles fogem de nós, cedem espaço para a luz, como a lua e o sol. Aprendi que isso é o ponto em que precisamos chegar, o equilíbrio, não estamos isentos da dor, nem ao menos podemos quantifica-la ou a transferir para que um outro alguém a entenda, só precisamos ser o mais parecido com a noite e o dia, a escuridão e a luz, a lua e o sol. Não precisamos insistir na frase: mas você não entende. Realmente, quem não passa, não entende, e quem passa entende até um certo ponto, pois cada um sabe seu limite. A verdade, é que precisamos parar de tentar fazer os outros entenderem e preocupar-nos com isso, não é fácil,  mas nós somos os únicos que precisamos entender-nos, perdoar-nos e aceitar que, nem sempre estaremos felizes, mas que se soubermos o que nos faz ter felicidade, mesmo que haja dor e tristeza, algo nos fará por mais um dia expressar um belo riso, daqueles de orelha a orelha, daquela gargalhada que encendeia a alma.
Que vale a pena viver mais um dia para abraçar quem você ama, ouvir aquela música do seu cantor favorito, assistir a nova temporada da sua série preferida e por mais um dia apreciar o pôr-do-sol, apenas mais um dia, o amanhã pertence a Deus, basta a cada dia as suas próprias dificuldades.
Pra vocês eu dedico o trechinho dessa música de supercombo (amianto) :
 "A vida é como mãe
  Que faz o jantar
  E obriga os filhos
  A comer
  Os vegetais
  Pois sabe
  Que faz bem
   ...
   E a morte
   É como o pai
   Que bate na mãe
   E rouba os filhos
   Do prazer
   De brincar, como se não houvesse.      amanhã, MAS tudo bem, nem sempre  estamos na melhor"


Reflitam, bastante. A vida não é um mar de rosas, não vem com um manual e para os adolescentes, ô fase terrível, mas passa, TUDO PASSA❌